O Que o Natal Nos Ensina

de Rubel Shelly

Há uma frase maravilhosa do erudito americano Stephen L. Carter que é apropriada à estação de Natal: “Religião é, na sua essência, uma maneira de negar o resto do mundo.” Ela está seguramente, astuciosamente, e gloriosamente certa.

A visão da fé deste mundo é estranhamente desconfiada. Não, é mais que isso. É uma postura de descrença inequívoca que conduz a rejeição! Quando o mundo recita seus chavões – “você só importa se você estiver bonito”; “a coisa mais importante é dinheiro”; “vencer é tudo”, “Preocupa-se Com Número Um” – a fé protesta contra tudo isso. Ela adota uma postura de descrença e incredulidade. Ela vive em ceticismo e descrença.

Eu recuso a acreditar que egoísmo é aceitável ou que é permissível ressentir a felicidade dos outros. Eu não engolirei o modo do mundo justificar preconceito, agressão, e ódio. Nenhum crente pode ser qualquer coisa senão incrédulo diante da reivindicação deste mundo de que cada um é intitulado a qualquer coisa se pode agarrar com as mãos, ou, que não devemos sentir nenhuma culpa ao explorar outros.

Portanto, desconfie das alegadas certezas dos seus sentidos que cancelam os mistérios da fé. Dispute a tendência das massas de olhar adiante só para declarar a impossibilidade de viver com esperança. Negue totalmente a inevitabilidade da ganância, do ódio, e da violência que diz que não podemos provar a realidade de amor.

A Bíblia adverte contra a cegueira deste mundo e fala do perigo de cegos que conduzem outros cegos. Aquela advertência nos alerta que, coisas, pessoas, e modos de pensar arraigados neste mundo finito de tempo, espaço, e matéria nos impedirão de descobrir, experimentar, e se encantar nas realidades maiores de Deus, e da eternidade que só serão conhecidas pela fé.

Fé não é auto-enganação. Ela não é a projeção de desejos, e nem tampouco apenas sonhar alto. É nossa disposição de ouvir e se levantar com as coisas que Deus nos mostrou através de eventos e pessoas tão inspiradas quanto uma montanha fumaçando no deserto e tão modestos quanto o primeiro grito de um bebê na aldeia de Belém.

Então deixe o Natal negar o tranco que este mundo bota em seu coração. Deixe-o abrir seus olhos e ouvidos para tudo aquilo que muitos não querem ver nem ouvir. Veja Emanuel – e saiba que Deus está conosco. Ouça a canção de anjos – e receba a paz de Deus dada a corações ansiosos. Não dê importância à confusão, ceticismo e oposição deste mundo – e escolha o reinado de Deus como seu modo de afirmar as verdadeiras realidades. E Feliz Natal para todos!



Veja também Ilustrações de Natal e Imagens de Natal

Copyright © 2008 Rubel Shelly. Todos os direitos reservados. A reprodução ou distribuição deste material, inclusive em sites na Internet, só é permitida com autorização expressa por escrito.

18/12/09